Imoralidade e Vida Pura

Em 1 Tessalonicenses 4.1-8 Paulo falando sobre santidade e libertação da imoralidade sexual diz que seu desejo para os irmãos é que eles progridam cada vez mais! Esta é uma grande verdade em relação ao tema: É possível, e é da vontade de Deus, que seu povo obtenha progresso! A Bíblia diz que viver amigo dos prazeres é se constituir inimigo de Deus, e no texto de Tessalonicenses Paulo diz que rejeitar a pureza e a santidade sexual é “rejeitar a Deus” (1 Tessalonicenses 4.8). Jamais haverá progresso em sua vida se você continuar rejeitando a Deus.

Jesus ensinou que as intenções impuras serão consideradas como atos consumados (Mateus 5.28). Se vamos viver em santidade e pureza, devemos ser puros de corpo e alma. Não há lugar para mérito e orgulho por não nos prostituirmos se somos assíduos praticantes do adultério emocional. Muitas esposas tem mais intimidade, liberdade e abertura com outras pessoas que não são seus maridos, e poucas percebem a impureza presente em suas intenções.

Esta mensagem que você está prestes a ouvir está longe de ser um “simples desabafo” de alguém que esteve preso na imoralidade por tanto tempo. É uma expressão de amor por aquele que sofre e um testemunho vivo do que Deus pode fazer na vida de alguém que se arrepende. Se você precisa de ajuda nesta área, abra o coração. Se você conhece alguém que sofre com isso, seja gentil e compartilhe.

Lembre-se: as Escrituras dizem que Deus julgará os adúlteros e impuros. A razão dessa distinção é simples: Todo adúltero é impuro, mas nem todo impuro é adúltero. Não sei se para você isso é motivo de esperança ou de tormento, mas oro para que você sinta prazer em saber que as Escrituras dizem que Deus é quem julgará os impuros. Lembre-se que Jesus disse que a intenção impura é considerada pelo Juiz como adultério emocional e também será julgada (Mateus 5.28).

A Bíblia diz que se nos julgarmos a nós mesmos, não seremos julgados por Deus. Alguns podem pensar o seguinte: “mas o meu problema não é em que Deus me julgue, e sim que os outros crentes me julguem”. Bom, se isso acontecer, não compete a você se meter entre eles e Deus, não é da sua alçada! Pois está escrito que Deus é quem os julgará: “Quem és tu que julgas o servo alheio?” (Romanos 14.4), pois “um só é Legislador e Juiz, tu, porém, quem és que julgas o próximo?” (Tiago 4.12). Se você deseja ser livre da prisão diabólica da imoralidade, não ponha seus olhos em homens, ponha em Deus. Não se esqueça que Jesus disse “não julgueis e não sereis julgados; não condeneis e não sereis condenados; perdoai e sereis perdoados” (Lucas 6.37). Perdoe aqueles que não te perdoam, julgue-se a si mesmo e agrade a Deus!

Tenha isso em mente:

  1. Deus nos julga (Tiago 4.12).
  2. Nós nos julgamos a nós mesmos (1 Coríntios 11.31).
  3. Nós julgamos as coisas desta vida (1 Coríntios 6.2b,3b,)
  4. Nós não julgamos os irmãos (Lucas 6.37).

Embora esta mensagem não esteja completa, é relativamente longa e demorada. Programe-se para ouvi-la. Seja paciente, mas não deixe de receber de Deus por causa disso.

Um abraço fraterno!