PERGUNTA:

Irmão Natan, não entendo muito bem esses termos, o que significa ser “pré-tribulacionista”?

RESPOSTA:

Oi Rute, tudo bem? “pré-tribulacionista” é um termo teológico que é usado para identificar a pessoa que acredita que o arrebatamento ensinado por Paulo acontecerá antes da Grande Tribulação programada por Deus para acontecer futuramente uma única vez na terra. A melhor forma de estudar sobre o assunto é procurar a compreensão inicial sobre a diferença entre as tribulações da vida e “A Tribulação” mencionada por Cristo em seu sermão profético como aquele acontecimento único que nunca se repetirá na linha do tempo da história humana na terra. Depois a pessoa deve procurar entender a revelação do arrebatamento dada por Deus a Paulo; e nessa oportunidade do estudo é importante compreender o significado essencial do uso da palavra que foi traduzida por “arrebatamento” na época em que Paulo e o escritores do Novo Testamento a empregavam.

A GRANDE TRIBULAÇÃO SEM PRECEDENTES E SEM REPETIÇÃO:

No sermão profético de Cristo registrado em Mateus 24, Marcos 13 e Lucas 21, ele disse que uma abominação virá futuramente à terra de Israel, como profetizada anteriormente pelo profeta Daniel, e quando chegasse esta ocasião que os judeus fugissem da Judeia e que orassem para que não acontecesse em dia de sábado, porque NAQUELE TEMPO haverá grande tribulação, COMO DESDE O PRINCÍPIO DO MUNDO ATÉ ENTÃO não tinha havido e NEM HAVERÁ JAMAIS (Mateus 24.15-21). No livro do profeta Daniel ele fala sobre um tempo de angústia, como nunca aconteceu antes na história do povo de Israel e diz que neste tempo um homem abominável “entrará na terra gloriosa de Israel e muitos sucumbirão. Diz também que armará suas tendas palacianas entre os mares contra o glorioso monte do templo (Dn 11.41, 45). Outros profetas do Antigo Testamento também falaram sobre este futuro derramamento da ira de Deus sobre o seu povo e o chamavam de “o Dia do Senhor”, que segundo os profetas hebreus será um dia de trevas, perturbação, um dia cruel com ira e ardente furor, para converter a terra em assolação e dela destruir os pecadores; chamam-no de um dia amargo, e um dia de indignação e angústia, dia de alvoroço e desolação, dia de escuridade, negrume, de nuvens e densas trevas. Um profeta hebreu chega a dizer que é como se um homem fugisse de diante de um leão e se encontrasse com ele o urso; ou como se, entrando em casa, encostando a mão na parede, fosse mordido de uma cobra (Am 5.18-20, Is 13.9, Sf 1.4,15, Jl 2.1,2, etc). Este tempo de juízo e derramamento da ira de Deus se destina a todas as nações da terra, mas o “epicentro” de tudo será a nação judaica. Como Deus fez em tempos passados do Antigo Testamento, mais uma vez, ele levantará um homem com um exército que virá contra o seu povo para castigo. Como diria Jesus: “Serão dias de vingança para se cumprir estes textos que tinham sido escritos” (Lc 21.22). Será o tempo da devastação de Jerusalém, para se fugir da Judeia e haverá grande aflição e ira contra o povo judeu. Judeus tombarão em batalha e serão levados cativos para as nações ao redor e Jerusalém será tripudiada pelos infiéis até o tempo determinado (Lc 21.20-24)). Além disso, será um tempo marcado por terremotos e eventos cósmicos extraordinários. A ira de Deus será plenamente derramado sobre a terra; para castigo do judeu primeiro, mas também das nações dos gentios.

ARREBATADOS DE QUE?

Uma vez compreendido o significado bíblico para esta futura grande tribulação predestinada por Deus para este momento único da história, será mais fácil compreender o sentido da doutrina do arrebatamento.

O Novo Testamento foi originalmente escrito em grego, e a palavra “arrebatamento” que aparece em nossas bíblias foi traduzida da palavra grega “harpazo” de onde também vem nossa palavra para “arpão”, uado comumente como uma lança em pescaria. O sentido básico da palavra significa “ser retirado por alguém de um lugar ou de uma situação” contrastando com a ideia de alguém que se retira voluntariamente. Por causa deste sentido essencial da palavra, no período da história em que o debate teológico acontecia principalmente na língua latina o termo foi traduzido para “rapto” e até hoje é usado assim em alguns lugares, como no caso do idioma Inglês, onde a palavra usada é “rapture” (pela influência do latim) e não como em Português pois usamos a palavra “arrebatamento”. O importante é entender que a essência da palavra em sua origem continua a mesma: “é uma intervenção para a retirada de alguém ou alguma coisa”.

A palavra traduzida por “arrebatamento” em nossas bíblias aparece no Novo Testamento grego em contextos diferentes e somente tais contextos poderão indicar se a “intervenção para a retirada” é uma coisa positiva ou negativa. Em João 10.12, por exemplo, está escrito que o “mercenário, que não é pastor, vê vir o lobo, abandona as ovelhas e foge; então, o lobo as ARREBATA e dispersa”. A palavra traduzida por “arrebata” neste versículo é a palavra “harpazo”, a mesma palavra usada por Paulo para explicar a revelação que recebeu de Deus sobre a futura retirada do Corpo de Cristo desta terra: “nós, os vivos, seremos ARREBATADOS entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares” (1 Tessalonicenses 4.17). Em termos bíblicos, falando estritamente do uso da palavra ao longo do Novo Testamento, ser “retirado” ou “arrebatado” não significa necessariamente uma coisa boa, depende de quem retira e porque retira. Em Atos 23.10 está escrito que houve certo tumulto e um comandante, responsável pela vida de Paulo, temendo que este fosse despedaçado pelo povo, mandou que a guarda de soldados intervisse na situação e o RETIRASSEM dali e o levassem para a fortaleza. A palavra grega ali traduzida por “retirassem” na versão revista e atualizada é a mesma palavra “harpazo”. A mesma palavra aparece no texto que diz que Filipe foi “arrebatado pelo Espírito do Senhor” e por isso o eunuco que com ele estava, já não o via mais em sua presença (Atos 8.39). O sentido bíblico essencial da palavra traduzida por “arrebatamento” é este que vimos: ser retirado abruptamente por uma força externa que independe da minha vontade. É ser “retirado por intervenção” em contraste a “retirar-se por vontade”.

Daí sai o sentido para a palavra “pré tribulacionista”, ou seja, é a crença de que o Corpo de Cristo será retirado da terra ANTES do início do grande e terrível “Dia do Senhor”, do pleno derramamento da ira de Deus sobre os pecadores. Outros grupos, por questões de interpretação de alguns termos, colocam esta retirada na metade do período da Tribulação, pois entendem que a ira de Deus, de fato, só será derramada apenas neste momento e supõem que antes disso a Igreja experimentará apenas a ira dos homens ou a ira de Satanás, mas isto, segundo dizem, não teria relação com a ira de Deus, estes são conhecidos como “meso ou mid tribulacionistas”. Tem outro grupo que pensa que a igreja será retirada da terra somente no final da grande tribulação, mas esta linha de interpretação faria com que o próprio significado bíblico para arrebatamento perdesse o seu sentido; de qualquer forma, para que você os identifique, eles são conhecidos como “pós tribulacionistas”.

Sendo assim, Rute, a crença “pré-tribulacionista” é aquela em que a pessoa entende que o Corpo de Cristo será retirado da terra antes do início do grande e terrível “Dia do Senhor”, do pleno derramamento da ira de Deus sobre os pecadores. Para complementar sua compreensão sobre o assunto, te aconselho ler o meu artigo sobre a explicação de Paulo a respeito da importância desta RETIRADA do Corpo de Cristo da terra antes do surgimento do Anticristo como escrito em 2 Tessalonicenses 2. Aqui está o link para o meu site: Explicação de Apostasia em 2 Tessalonicenses Capítulo 2

Um abraço querida
Natan