Quem nunca ouviu falar da segunda vinda de Cristo? É interessante lembrar que Jesus disse que sua volta à terra será semelhante aos acontecimentos relacionados ao dilúvio e ao juízo divino que levou à destruição as cidades de Sodoma e Gomorra. No entanto, é bom que se diga que sua segunda vinda terá consequências diferentes para grupos de pessoas diferentes.

Lucas 17.26,27
26 Assim como foi nos dias de Noé, será também nos dias do Filho do Homem:
27 comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, ATÉ AO DIA EM QUE NOÉ ENTROU NA ARCA, e veio o dilúvio e destruiu a todos.

Noé entrou na arca e o dilúvio que veio destruiu a todos os que NÃO estavam dentro da arca. Observe também que Jesus disse que a vida seguia normal “ATÉ AO DIA que Noé entrou na arca”, e somente então veio o dilúvio, que por sua vez, “trouxe destruição a todos”. Não é preciso muita conversa para se entender que a destruição trazida pelo juízo de Deus não atingiu exatamente a todos os homens que viviam na época, pois o dilúvio veio somente depois que Noé e sua família estavam protegidos, em toda segurança. Noé e os seus não foram atingidos pelo juízo porque não estavam destinados àquela ira vindoura. Vemos então que em um mesmo tempo, em um só acontecimento, um povo foi protegido e outro foi destruído. Jesus usou o exemplo deste acontecimento, pois, segundo ele, “será da mesma forma nos dias do filho do homem”. Primeiro o povo de Deus é protegido, somente depois é executado o juízo.

Lucas 17.28,29
28 O MESMO ACONTECEU NOS DIAS DE LÓ: comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam;
29 mas, NO DIA EM QUE LÓ SAIU de Sodoma, choveu do céu fogo e enxofre e destruiu a todos.

Em Gênesis 19.15-22 você observa o cuidado de Deus com a vida de Ló e dos seus, o texto chega a dizer que “Deus nada poderia fazer enquanto Ló não estivesse em segurança”. No texto acima Jesus disse que somente depois que Ló SAIU de Sodoma, foi que choveu fogo do céu e destruiu a todos OS OUTROS. A Bíblia diz que a destruição de Sodoma ficou como um exemplo de punição divina para todos quantos venham a viver impiamente (2 Pedro 2.6 e Judas 7); sendo assim, a proteção de Ló é também um exemplo do livramento que Deus provê para os seus. Veja que o mesmo princípio se repete novamente: Primeiro o povo de Deus é protegido, somente depois o juízo é executado.

No texto de Lucas Jesus falava sobre Noé e logo em seguida fez a comparação direta dizendo: “O mesmo aconteceu nos dias de Ló”. Juntando tudo desde o versículo 26 percebemos que Jesus está literalmente dizendo que os três acontecimentos são semelhantes: O dilúvio, a destruição de Sodoma e sua segunda vinda.

Da mesma forma como em cada acontecimento houve um juízo sobre um povo e um povo protegido deste juízo, assim também será na vinda do Senhor Jesus. Sua vinda dará início a um período de tribulação e juízo sobre todos quantos não “acolheram o amor da verdade para serem salvos” (2 Tessalonicenses 2.10).

Não há razão para desespero enquanto vivemos os últimos anos que antecedem a volta do Senhor Jesus. O testemunho das Escrituras é que podemos aguardar Jesus retornar dos céus sem medo pois ele nos livra desta ira vindoura que há de ser derramada sobre os pecadores:

1 Tessalonicenses 1.10
E para aguardardes dos céus o seu Filho, a quem ele ressuscitou dentre os mortos, Jesus, QUE NOS LIVRA DA IRA VINDOURA.

Paulo diz “Irmãos, no que diz respeito à vinda de nosso Senhor Jesus Cristo e à nossa reunião com ele, nós vos exortamos a que não vos demovais da vossa mente com facilidade, nem vos perturbeis supondo tenha chegado o Dia do Senhor” (2 Tessalonicenses 2.1,2). “O dia do Senhor” é uma expressão que também pode fazer referência ao juízo que virá sobre os ímpios, mas observe que Paulo disse que para os crentes a vinda do Senhor Jesus será o momento da nossa “reunião com ele”. Antes que o juízo inicie os cristãos serão retirados da Terra assim como foram Noé, Ló e seus familiares.

É exatamente sobre isso que Paulo está falando no texto abaixo:

2 Tessalonicenses 2.3
Ninguém, de nenhum modo, vos engane, porque isto não acontecerá [o Dia do Senhor, o início do juízo] sem que primeiro venha a APOSTASIA…

Infelizmente algumas vezes transformamos algumas palavras da Bíblia em “termos técnicos” que chegam a representar dogmas inflexíveis que comumente nos impedem de enxergar o real significado da palavra, que algumas vezes vai além do uso convencional. Estou dizendo isso porque me parece que a palavra “apostasia” do versículo acima caiu nesta situação.

Uma das interpretações mais comuns deste texto de Tessalonicenses é que antes da volta de Cristo haverá uma “grande deturpação doutrinária”, e talvez a razão porque alguns tenham interpretado assim seja por causa do texto onde Paulo diz que “nos últimos tempos alguns apostatarão da fé” (1 Timóteo 4.1). No entanto, a palavra grega “apostasia” não é sinônima de “abandono da fé”, “deturpação doutrinária” ou mesmo “rebelião por parte dos crentes”. Esta palavra significa simplesmente “afastamento, retirada, partida”. O próprio fato de as palavras “da fé” serem adicionadas no texto de 1 Timóteo 4.1, nos mostra que em si mesma a palavra apostasia não tem a ideia de “afastar-se da verdade”. Paulo falava que nos últimos tempos alguns iriam se “afastar da fé”, deixando subtendido o surgimento do erro doutrinário, por isso, talvez, alguns interpretaram o texto de Tessalonicenses seguindo o mesmo raciocínio.

O Dr. Kenneth S. Wuest, um grade conhecedor do grego, disse o seguinte sobre a tradução correta de apostasia:

A raiz do verbo aphistemi é encontrada 15 vezes no Novo Testamento. Ela é traduzida como “retirar” 11 vezes. Ela é usada uma vez em conexão com o abandono da fé (1 Timóteo 4.1). Ela é usada 8 vezes como partida de uma pessoa, e 1 vez no sentido de partir de um lugar. Em outros lugares onde é encontrada, ela é traduzida como “desviar”, no caso daqueles que sofreram tentação (Lucas 8.13), “levar” muitas pessoas (Atos 5.37). O significado predominante desse verbo no Novo Testamento, portanto, é o ato de uma pessoa retirar-se (ou partir) de uma pessoa ou de um lugar. O substantivo neutro “apostasion” é traduzido em suas 3 ocorrências pela palavra “divórcio”, que sugere em si o afastamento de uma pessoa de outra. Thayer traduz a palavra como “deserção” quando um homem livre se afasta de seu patrono”, “um divórcio, um repúdio”. A forma feminina, “apostasia”, aparece em Atos 21.21, onde Paulo é acusado de ensinar “todos os judeus entre os gentios a apostatarem de Moisés”, sendo “apostatar” a tradução usada por algumas versões para a palavra. “Apostatar” envolve uma retirada ou afastamento. Essa palavra é encontrada somente aqui e em nossa passagem de Tessalonicenses.

Todo mundo sabe que há palavras que ganham o seu sentido mais preciso de acordo com o seu contexto. O que Paulo está dizendo no texto de Tessalonicenses é que o Dia do Senhor não acontecerá sem que primeiro venha a “separação”, a “retirada”; palavra que não fora traduzida em nossas Bíblias, mas simplesmente transliterada para o nosso idioma. Paulo está falando sobre “a partida” ou “o afastamento” do povo de Deus desta Terra antes da manifestação do juízo. O povo de Deus será retirado, arrebatado, antes que o juízo tenha seu início.

Se você ler o contexto com esta perspectiva, é possível que você compreenda o texto melhor:

2 Tessalonicenses 2.3,6,7
3 Ninguém, de nenhum modo, vos engane, porque isto [o Dia do Senhor, o início do juízo] não acontecerá sem que primeiro venha a APOSTASIA [a separação, A RETIRADA do povo de Deus] e seja revelado o homem da iniquidade, o filho da perdição.
6 E, AGORA, SABEIS O QUE O DETÉM, para que ele seja revelado somente em ocasião própria.
7 Com efeito, o mistério da iniquidade já opera e aguarda somente que SEJA AFASTADO aquele que agora o detém;
8 então, será, de fato, revelado o iníquo, a quem o Senhor Jesus matará com o sopro de sua boca e o destruirá pela manifestação de sua vinda.

Observe que Paulo está dizendo que “o homem da iniquidade” (o anticristo), está sendo IMPEDIDO de se revelar.

  • No verso 3 Paulo disse que o anticristo só poderá ser revelado DEPOIS da RETIRADA (apostasia) do povo de Deus.
  • No verso 6 Paulo disse “AGORA SABEIS o que DETÉM o anticristo de ser revelado”.
  • No verso 7 Paulo disse que o mistério da iniquidade que já operava no mundo em sua época estava esperando somente QUE fosse AFASTADO aquele que O DETÉM.
  • No versículo seguinte, o verso 8, Paulo disse que quando aquele que DETÉM o mistério da iniquidade for AFASTADO, ENTÃO será revelado o iníquo.

Observe com bastante atenção que Paulo NÃO está falando que o mistério da iniquidade aguarda a CHEGADA de uma coisa futura para que o anticristo seja revelado, ele está dizendo exatamente o contrário: que o mistério da iniquidade aguarda a RETIRADA de uma coisa que está presente para que o anticristo seja revelado. Em outras palavras, não será a CHEGADA de uma grande deturpação da verdade que manifestará o anticristo, mas a RETIRADA do povo de Deus que possibilitará sua manifestação.

Mantendo consistente a ideia do juízo que vem somente depois que o povo de Deus estiver em segurança, vemos que Paulo falava que somente depois que o Corpo de Cristo for retirado da Terra, o anticristo será revelado e na sequência virá o juízo de Deus trazendo grande tribulação.

Fomos chamados por Deus para alcançarmos a glória do Senhor Jesus Cristo. Por isso devemos permanecer firmes guardando aquilo que nos foi ensinado, pois Jesus nos amou e nos deu consolação eterna e uma boa esperança! (2 Tessalonicenses 2.15-17).