Parte da Série de estudos: Casamento, Divórcio e a Vontade de Deus

Parte 1  |  Parte 2  |  Parte 3  |  Parte 4  |  Parte 5


COM RESPEITO AOS VIRGENS

Em algumas versões em português de 1 Coríntios 7, nos versículos 25,28,36,37 e 38 aparece a ideia do possível casamento de uma “noiva” ou ‘filha”. Na verdade, a tradução por “noiva” ou “filha” são pouco corretas, e são mais uma interpretação do que uma verdadeira tradução. A palavra grega traduzida por “virgem” é a palavra grega “parthenos” que, dizem os eruditos, tanto pode ser traduzida por “virgindade ou virgem”, e isso tanto para homem como para mulher, e só o contexto poderá esclarecer a que gênero (masculino ou feminino) o texto se refere.

Em Apocalipse 14.4 a mesma palavra é traduzida por “castos” pois o contexto ajuda a entender que se fala exclusivamente de homens:

Apocalipse 14.4
São estes os que não se macularam COM MULHERES, porque são castos. São eles os seguidores do Cordeiro por onde quer que vá. São os que foram redimidos dentre os homens, primícias para Deus e para o Cordeiro.

A mesma palavra aparece em Atos 21.9 que fala das sete filhas “donzelas” de Filipe, e aí a palavra é traduzida por “donzelas” pois pelo contexto é possível compreender que se trata de mulheres, no caso, “as filhas”:

Atos 21.9
Tinha este quatro FILHAS donzelas, que profetizavam.

Não existe uma variação na palavra em si para indicar se é uma referência ao masculino, feminino ou se poderia se referir a “virgindade” de forma geral. A palavra que nos textos acima fora traduzida por “castos” e “donzelas” é a mesma e uma só.

Acredito que a porção do texto de 1 Coríntios 7, mencionada no primeiro parágrafo, seria mais corretamente traduzido da seguinte forma:

_verso 25: “Com respeito AOS VIRGENS…”
_verso 28: “e também, se O VIRGEM SE CASAR, por isso não peca…”
_verso 34: “TAMBÉM A MULHER, tanto a viúva como A VIRGEM…”
_verso 36: “Entretanto, se alguém julga que trata sem decoro a sua VIRGINDADE…”
_verso 37: “Todavia, o que está firme em seu coração, não tendo necessidade, mas domínio sobre o seu próprio arbítrio, e isto bem firmado no seu ânimo, para conservar SUA VIRGINDADE, bem fará”
_verso 38: “E, assim, quem ENTREGA SUA VIRGINDADE AO CASAMENTO faz bem; quem não a entrega a casamento faz melhor”.

TRADUÇÕES EM PORTUGUÊS:

Nas versões em português em que aparecem a palavra “filha” ou “noiva”, o texto é meramente interpretativo, ou seja, não é de fato uma tradução da palavra grega “parthenos”, cujo significado é “virgindade, virgem, casto” ou algo semelhante. Alguém raciocinou que a expressão grega original poderia ser “sua virgem” e que em português o possível significado seria “sua noiva” ou “sua filha”, poucos consideraram que Paulo poderia estar falando sobre a própria virgindade de alguém com a possível expressão “sua virgindade”. Você vai encontrar algumas versões em português que seguem este raciocínio entre os versículos 36 a 38; entre elas, destaco: Literal do Texto Tradicional, Bíblia Viva e a versão O Livro.

LITERAL DO TEXTO TRADICIONAL:
1 Coríntios 7.36-38
36 (Mas, se algum varão julga conduzir-se indecorosamente para com a VIRGINDADE dele mesmo, e caso ele esteja além do apogeu de idade dele, e caso assim tem de ser, faça ele o que deseja; ele não peca: Casem-se eles.
37 Todavia, o varão que tem se postado firme em seu coração, não tendo necessidade, mas tem autoridade a respeito da vontade própria dele, e isto tem resolvido no coração dele mesmo, guardar a VIRGINDADE dele mesmo, [também] faz bem.)
38 De forma que tanto aquele que está dando em casamento faz bem, como aquele que não está dando em casamento faz melhor.

BÍBLIA VIVA:
1 Coríntios 7.36-38
36 No entanto, se alguém sentir que deve casar-se porque tem dificuldade em controlar seus desejos, está certo, não é pecado; que se case.
37 Mas se um homem tem força de vontade para não casar-se e decidir que ele não precisa fazê-lo e não o fará, tomou uma Sabia decisão.
38 Portanto, a pessoa que se casa faz bem e a que não se casa faz melhor ainda.

O LIVRO:
1 Coríntios 7.36-38
36 Porque se alguém sentir que deve casar, por razões de idade ou de necessidade, pois está certo, não peca; deve casar.
37 Por outro lado, se um homem tem suficiente domínio sobre a sua própria natureza para não casar, e decide então não casar, terá tomado uma decisão ajuizada.
38 Assim uma pessoa que casa faz bem, e uma pessoa que não casa fará melhor.