A "LÓGICA" CALVINISTA DA SUPREMACIA DIVINA

PERGUNTA:

Como aceitar o Calvinismo? Um rapaz uma vez afirmou o seguinte: “Uma pessoa só pode aceitar a predestinação calvinista quando souber o quanto o homem é mau. Se eu achar que o homem tem algo de bom nele e que é uma vítima do próprio Deus, nunca conseguirei entender a verdade calvinista”.

RESPOSTA:

O único detalhe que esse rapaz “esqueceu” de falar para você é que esse deus, em quem ele acredita, também determinou previamente que o homem seria completamente mau e pervertido; e que, somente por isso, tal homem seria incapaz de querer alguma coisa com “Deus”. Você dizer que o verdadeiro Deus simplesmente decidiu não salvá-lo e que simplesmente deixou o homem “seguir o seu próprio caminho de maldade” é uma declaração falsa e incompleta, pois é preciso contar a história toda: que foi este “Deus” mesmo quem fez o homem mau ser assim, e, este próprio “Deus”, foi  quem impossibilitou esse homem de mudar sua vida para ser salvo. E outra, se Deus é tão “soberano” (dentro dos conceitos equivocados de soberania calvinista, que dão a ideia de um individualismo e egoísmo merecidos por causa de sua suposta supremacia divina inigualável), ele não precisa mesmo ter qualquer comportamento exemplar que sirva de referência de moralidade e perfeição. Esse tipo de deus, de fato, pode muito bem criar uma pessoa preprogramada para desonrá-lo com o único objetivo de puni-lo para se enaltecer, pois, diferentemente da lógica humana compreensível, a “lógica divina” do deus deles, é muito mais elevada e incompreensível para os meros humanos idiotas que insistem em conceituar bondade com base naquilo que é essencialmente bom e justo.