PERGUNTA:

Bom dia Natan. Olha, não tive muito interesse na minha caminhada cristã em estudar o calvinismo e o arminianismo, mas ultimamente tenho ouvido muito falar sobre isto. Será que poderia me esclarecer qual a diferença de um para o outro?

RESPOSTA:

A diferença básica entre os dois posicionamentos é que no calvinismo o homem é considerado incapaz de ter fé para ser salvo, se ele não tiver sido predestinado para isso, antes de nascer. No calvinismo o homem só poderá ter fé DEPOIS de ter sido salvo, e, só será salvo, se tiver tido a sorte de ter sido criado por Deus para isso; o que é uma clara inversão do ensino bíblico de que a pessoa deve crer PARA ser salva e não “ser salva para conseguir crer”. Sem dizer que acreditar que Deus cria pessoas para serem salvas e que Deus cria outras para jogá-las no inferno, para se glorificar por ter a capacidade de fazer isso, é uma blasfêmia.

Para o calvinismo, Jesus não morreu por todos, porque Deus não ama a todos, e se porventura Deus ama alguns, que são os únicos por quem Jesus morreu, essas pessoas não têm a capacidade legal, moral ou intelectual de rejeitarem esse amor, pois, segundo o calvinismo, elas serão salvas e abençoadas na marra, por cima de pau e pedra, e elas jamais conseguirão resistir ao fato de que Deus enfiará sua graça pela sua goela abaixo. E se, porventura, alguma dessas pessoas ousar pensar em resistir a Deus, ou ousar pensar em negar a fé, elas jamais conseguirão porque teriam sido pré-programadas, antes de nascer, para jamais terem a capacidade de negar Jesus e ficarão crentes e firmes até o fim da vida porque que Deus assim o quis, para seu próprio bem. E, se por alguma razão, uma das pessoas que teria sido supostamente criada para ser incapaz de resistir a graça de Deus, parece ter conseguido fazer isso, rejeitando a Jesus e se afastando da comunhão com Deus, então, para o calvinismo, é porque tal pessoa “nunca teria feito parte desse povo especial” que teve a sorte de ser amado e escolhido.

Porém, o calvinismo também explica que tem casos em que Deus engana algumas pessoas fazendo elas pensaram que foram amadas e escolhidas só para descobrirem no final da vida, que era só uma pegadinha. Sobre este “sentimento” ilusório que possuem estas pessoas a quem Deus engana desse jeito, eles chamam de “graça evanescente”, que se esvai e não é duradoura, como a graça verdadeira que Deus concede aos outros que ele não engana. O arminianismo seria uma melhor opção, se alguém estivesse sendo pressionado para fazer uma escolha entre as duas posições em sua congregação, pois, o arminianismo, até onde eu sei, é contra o calvinismo.