O texto que você está prestes a ler não é curto, mas é digno da sua atenção. É uma coletânea de informações tiradas de sites de notícias internacionais que tratam especificamente da alarmante situação do Oriente Médio. Tais acontecimentos estão ligados ao cumprimento das profecias dos últimos dias. Todos os alvos da ideologia muçulmana de forma geral estão ligadas diretamente ao Estado de Israel e aos cristãos.

A loucura mundial que está sendo inflamada pelo grito de guerra dado pelo grupo ISIS é o PRENÚNCIO das últimas guerras mencionadas na Bíblia que chegarão até Israel, e obviamente tudo isso está associado à vinda do Senhor Jesus . Os últimos grãos de areia da ampulheta escatológica se preparam para cair. O mundo não vai melhorar. As guerras não vão diminuir. O caos e o desespero se tornarão cada vez mais evidentes. Nos próximos 15 anos o mundo que conhecemos hoje não existirá mais.

Hoje é quinta feira, 16 de outubro de 2014 e 180.000 pessoas já fugiram do oeste do Iraque à medida que o Estado Islâmico se aproxima dramaticamente de Bagdá. A revista americana TIME relata que o grupo jihadista sunita já consolidou largamente seu controle sobre a parte ocidental do Iraque enquanto civis aterrorizados fogem do seu avanço.

As forças de segurança do Iraque evacuaram mais uma base militar na província de Anbar na segunda feira passada (dia 6/10/2014) em face de uma ofensiva militar por parte do Estado Islâmico.

Relatórios de que o ISIS já cercou Bagdá e que está rapidamente se aproximando do Aeroporto Internacional de Bagdá são preocupantes. Primeiro, porque o exército iraquiano relatou que o ISIS está armado com lança mísseis antiaéreos. Os mísseis de curto alcance, que podem ser disparados apoiados no ombro, são capazes de derrubar aeronaves a uma distancia de até 5Km. No sábado passado, 11 de outubro, a rede de notícias Russa RT informou que o ISIS já estava a aproximadamente 12Km do aeroporto de Bagdá.

Um total de 60.000 soldados iraquianos estão designados para defender a capital Bagdá, juntamente com 12 equipes de militares americanos, disse um oficial iraquiano à CBS News.

Nesse ínterim, militantes disfarçados do ISIS já em Bagdá plantaram bombas e fizeram ataques aterrorizando a cidade. Sabe-se de 30 mortes causadas pelas explosões e aproximadamente mais 30 feridos. Os ataques foram realizados nas últimas 36h. Avanços também tem sido feitos em Anbar, de onde oficiais iraquianos fizeram um apelo público por ajuda militar, avisando que a cidade brevemente cairá nas mãos do ISIS.

A possível queda de Bagdá poderia ser o acontecimento mais significativo nesta “guerra de terror” desde o fatídico 11 de setembro. Pouco tempo atrás alguns especialistas americanos zombavam deste possível cenário, agora se deparam diante de uma situação para eles quase inacreditável.

A batalha por Bagdá já começou, e se, por acaso, ela cair diante do ISIS, as consequências se amontoarão umas sobre as outras. Patrick Poole estabelece o que ele chama de “5 implicações chaves” caso Bagdá caia diante do ISIS. Se tal situação vier a se cumprir, as 5 implicações chaves (e não se limitam apenas a estas) são:

1) ISIS não precisará mais dizer que é o Estado Islâmico, ele SERÁ o Estado Islâmico!

Este tipo de simbolismo pode não ser tão importante para a civilização ocidental pós-moderna, mas na cabeça daqueles que fazem parte do mundo islâmico é de grande importância. Haverá um valor incalculável para o ISIS caso eles realmente tomem Bagdá. Por pouco mais de 500 anos Bagdá foi a sede do Califado da dinastia Abássida, uma das mais duradouras desde 632 DC após a morte de Maomé, e se ela for tomada pelo ISIS lhes daria “o direito” de reivindicar o manto de tal dinastia sobre eles. Um evento como este deixaria o Oriente Médio (e a comunidade muçulmana mundial) em polvorosa. Muitos muçulmanos acreditam firmemente que o declínio do Islamismo ocorrido no século passado foi consequência do Califado Otomano ter sido desfeito em 1924 por Ataturk. Não importa o quanto as autoridades americanas, europeias ou brasileiras insistam em dizer que “o Estado Islâmico” não tem coisa alguma a ver com o “verdadeiro Islamismo”, declaração ocidental alguma impedirá o ISIS de reivindicar o renascimento do Califado Islâmico.

2) A grande reconciliação entre grupos jihadistas terá início.

Uma das estratégias que tem sido usada pela liderança da coalisão liderada pelos Estados Unidos é fortalecer outros grupos ISLÂMICOS supostamente “moderados” para que estes, por sua vez, lutem contra o ISIS. Até mesmo uma suposta “Al-Qaeda moderada” foi considerada para tal fim. No entanto, o que já estamos vendo é que os grupos jihadistas estão gravitando para o ISIS. Esta semana líderes do Taliban Paquistanês passaram pela cerimônia islâmica prestando juramento de fidelidade à liderança do Califa Abu Bakr Al-Baghdadi, líder do ISIS. Outros grupos jihadistas mais novos estão rompendo com a franquia da Al-Qaeda no Norte da África e desertando para se filiando ao ISIS. A despeito da rivalidade entre o ISIS e outros grupos jihadistas na Síria oficialmente associados a Al-Qaeda, dificilmente eles conseguirão negar a reivindicação de Califado por parte do ISIS se eles tomarem Bagdá. Se isto acontecer grupos jihadistas que até então tem sido hostis ou tem ficado neutros na situação, poderão rapidamente se aliar ao ISIS.

3) O que acontecerá ao povo americano que vive no Iraque?

A Embaixada Americana em Bagdá é a maior embaixada do planeta! Juntamente com os 350 militares enviados no mês passado para guardar a embaixada, há mais de 1.100 note americanos em serviço protegendo a embaixada e o aeroporto. Este número não inclui o quadro de funcionários da própria embaixada em si, ou ajudantes humanitários, repórteres, etc. que também estão em Bagdá. ISIS sequer precisaria realmente tomar o aeroporto para impedir voos lá, eles poderiam apenas fazer o mesmo que o HAMAS fez em relação ao aeroporto de Bem Gurion em Israel alguns meses atrás: Lançar bombas, ameaçar e gerar uma situação de emergência. Se o aeroporto não puder fazer decolagens, como o governo americano evacuará seu pessoal? Seria atormentador se isso acontecesse aos Estados Unidos e uma grande propaganda em prol da capacidade do ISIS em gerar o caos e a destruição em nome de Alá.

4) Se o ISIS capturar Bagdá ele o fará com as próprias armas providas pelos Estados Unidos ao Iraque e aos “misteriosos grupos rebeldes moderados” da Síria.

O ISIS tem capturado continuamente muito armamento e veículos que foram cedidos pelos Estados Unidos ao exército iraquiano, e o ISIS tem usado os mesmos equipamentos para atacar e repelir as forças militares do Iraque. Além disso o ISIS está de posse de pelo menos 52 Obuseiros americanos (M198 howtizers) com sistemas auxiliares de GPS que tem um alcance de 32Km que serão certamente usados no ataque a Bagdá. Antes de ontem Charles Lister do Instituto Brookings tuitou imagens recentes dos guerreiros do ISIS equipados com lança mísseis M79 Osa (armamento antitanque) que foram providos pela Arábia Saudita ao “moderado” grupo “Exército da Síria Livre”. O potencial do significado da propaganda do ISIS tomando Bagdá com as próprias armas dos inimigos seria enorme!

5) A queda de Bagdá seria o prenúncio de guerras sectárias no Oriente Médio sem precedentes até então, e ampliaria a instabilidade da região.

A guerra na Síria e Iraque tem sido parte da competição sectária entre os sunitas da Arábia Saudita e Estados do Golfo contra os Xiitas do Irã e seus aliados no Iraque, e o regime de Bashar al-Assad e o Hezbolá. O ISIS e os grupos rebeldes da Síria têm sido representantes nesta guerra. Se Bagdá cair diante do ISIS haverá uma guerra sectária como nunca vista desde os dias da guerra entre Irã e Iraque nos anos de 1980 e uma “limpeza étnica” como não se vê desde as guerras dos Bálcãs. Já temos visto milícias Xiitas matarem sunitas indiscriminadamente no Iraque e as “limpezas étnicas e religiosas” praticadas pelo ISIS por toda a região da Síria e do Iraque. Enquanto isso a Turquia tem bombardeado os próprios Curdos que estão sendo atacados neste momento pelo ISIS. Exatamente por causa de tudo isso, inúmeros refugiados tem abarrotado estados vizinhos desestabilizando países como Líbano e Jordânia. O ataque do ISIS à província de Anbar fez 180.000 pessoas fugirem , de acordo com as Nações Unidas. O desastre humanitário ocasionado pelo deslocamento de milhões de pessoas na região poderá ser sem paralelos na história.

Nem todos os estudantes de Escatologia devem compartilhar da minha opinião, mas eu acredito firmemente, com base em todos os estudos que tenho feito até então, que tudo o que estamos presenciando atualmente está diretamente associado ao breve surgimento do Anticristo e o renascimento do diabólico império islâmico anticristão que cumprirá uma das últimas fases da história dos homens nesta terra como a conhecemos. Somos testemunhas oculares dos últimos dias desta era! #ofimjáchegou

Fontes: PamelaGeller.com, RT.com, CBS, CNN