O surto de ebola nos países africanos tem preocupado todo o mundo por conta do fácil contágio e do fato de não haver cura para a doença que já deixou mais de 3.800 mortos na África Ocidental.

O medo agora é que os jihadistas do Estado Islâmico (EI) se utilizem do vírus como arma biológica para atacar seus desafetos e infectar países do ocidente.

O alerta é dado pelo capitão Shimkus, professor de assuntos relacionados à segurança nacional da Escola de Guerra dos Estados Unidos. Ele acredita ser “inteiramente plausível” que os extremistas muçulmanos adotem a transmissão do vírus como estratégia para vencer seus inimigos.

“No contexto da atividade terrorista, não é preciso muita sofisticação”, disse ele em entrevista à Forbes dizendo que o grupo pode usar um indivíduo contaminado pelo vírus para espalhá-lo em outros países.

Além do capitão Shimkus, o professor Anthony Glees, diretor do Centro da Universidade de Buckingham de Estudos de Segurança e Inteligência, também acredita nesse risco e lembra da crença islâmica sobre o suicídio.

“Os jihadistas acreditam que o suicídio seja bom, então, esse é um trabalho potencial em uma missão suicida”, disse Glees pedindo atenção ao governo do Reino Unido sobre a entrada de estrangeiros. “Eles são suficientemente bem informados para considerar essa hipótese, e eles sabem também que temos sido negligentes no Reino Unido”.

informações: Gospel Prime e R7