Hoje em dia “grandes pensadores” liberais do ocidente podem proteger o Islamismo como vem fazendo; podem divulgar e circular suas fantasias inspiradoras sobre o Islã da forma que quiserem; mas chegará o dia em que perceberão que não será mais possível fazer aquilo que querem. Terão gastado sua inteligência tentando proteger o Islamismo apenas pelo medo de serem atacados por eles. Contudo perceberão, tarde demais, que nem mesmo sua atitude complacente será vista por eles com bons olhos.

O tempo avança, e com ele avança também o Islamismo adentrando as sociedades ocidentais. O Islã continua marchando e ganhando terreno, até que um grande confronto se inicie novamente a sério, como já aconteceu ao longo da história por diversas vezes.

Quando o mundo islâmico estiver finalmente em condições de desencadear uma jihad global, quando o fenômeno “Estado islâmico” aparecer em todos os lugares do mundo – as pessoas já estarão sendo decapitadas por muçulmanos nos Estados Unidos e na Europa – a posteridade vai olhar para trás com grande amargura pela inação e ingenuidade de seus antecessores ocidentais que poderiam ter eliminado o problema na raiz, se eles só tivessem falado a verdade e implementado políticas baseadas na verdade.

Fingir sobre a verdadeira natureza do Islamismo não o transformará em algo bom, nem evitará que os verdadeiros muçulmanos (dedicados e praticantes) literalmente arranquem a sua cabeça para lhe provar que estão falando sério quando dizem que você não tem direito de pensar ou falar o que Maomé não permitiu!

O império do anticristo já está em formação. O confronto entre as forças sunitas e xiitas aumentará. Daqui a alguns anos um grande confronto contra os judeus se desencadeará e, por breve tempo, um grande enganador e profeta falso terá finalmente conquistado Jerusalém. Seu fim, entretanto, não demorará, pois virá nas nuvens do céu, descendo no esplendor da sua glória, o Senhor Jesus Cristo, que porá novamente os pés na terra e reinará soberano sobre os povos e as nações do mundo. Bem aventurado e santo é aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre esses a segunda morte não tem autoridade; pelo contrário, serão sacerdotes de Deus e de Cristo e reinarão com ele sobre a terra por mil anos.