Afinal de Contas, não é isso o que diz em Marcos 4.12?

PERGUNTA:
Estou com dúvidas a respeito do texto que se encontra em marcos 4:12, seria possível me explicar porque Jesus não queria que alguns fossem salvos?

Marcos 4:12
para que, vendo, vejam e não percebam; e, ouvindo, ouçam e não entendam; para que não venham a converter-se, e haja perdão para eles.

RESPOSTA:
Olá meu irmão,

Sobre sua pergunta, posso lhe dizer o seguinte: primeiramente o texto não diz que “Jesus queria que alguns não fossem salvos”, ainda que você tenha pensado isso quando leu. Até porque há inúmeros textos que são claros em dizer, cada um com suas próprias palavras, que “Deus deseja que todos os homens sejam salvos” (1 Timóteo 2.4); afinal, a “graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens” (Tito 2.11). Jesus é a solução de Deus não apenas para os pecados dos cristãos, mas também para os do mundo todo (1 João 2.2). Sobre o texto de Marcos 4.12, é fato que alguns cristãos que acreditam que Deus controla e manipula tudo e todos, e que ele é quem determina arbitrariamente quem será salvo e quem não será, também pensam a mesma coisa quando leem (desavisadamente) o texto em questão.

Uma coisa importante é lembrar que o texto se trata de um dos versículos do contexto da parábola do semeador, e, como tal, poderá ser melhor compreendido quando você considerar todos os textos nos Evangelhos que registram a mesma parábola. Como não tenho a intenção de me aprofundar muito no assunto, basta que você compare Marcos 4.12 com a mesma citação no texto de Mateus:

Mateus 13:13-14
13. Por isso, lhes falo por parábolas; porque, vendo, não vêem; e, ouvindo, não ouvem, nem entendem.
14. DE SORTE QUE NELES SE CUMPRE A PROFECIA DE ISAÍAS: Ouvireis com os ouvidos e de nenhum modo entendereis; vereis com os olhos e de nenhum modo percebereis.

Observe inicialmente que Jesus disse que “a dureza do coração dos ouvintes, que os impossibilitaria de entender para serem abençoados” era o cumprimento de uma profecia de Isaías. Ou seja, aquilo que Isaías havia dito sobre o juízo que cairia sobre aquele povo rebelde do passado se aplicava também a estes ouvintes contemporâneos de Cristo. Exatamente por isso é que Jesus ao mencionar Isaías, explica o porquê desta ligação que ele faz: “PORQUE o coração deste povo está endurecido, DE MAU GRADO OUVIRAM com os ouvidos e FECHARAM OS OLHOS; para não suceder que vejam com os olhos, ouçam com os ouvidos, entendam com o coração, se convertam e sejam por mim curados” (Mateus 13.15). A determinação profética de Isaías era uma resposta divina à rebeldia do povo; assim também aqueles que “ouviam de mau grado e fechavam os ouvidos” ao que Jesus dizia, seriam divinamente punidos não recebendo a benção que Jesus estava trazendo. Por isso é que em João 9.39 Jesus disse: “Eu vim a este mundo PARA JUÍZO, A FIM DE QUE os que não vêem vejam, e os que vêem SE TORNEM CEGOS”. Observe que Jesus disse claramente que “veio ao mundo para juízo afim de que esse tipo de gente se tornasse cega”. Qual o juízo? A cegueira espiritual!

Para Jesus os que “não viam” eram aqueles que precisavam de ajuda espiritual, e “os que viam” eram aqueles que se consideravam conhecedores da verdade, embora tivessem seus corações fechados para Deus. Por isso, no versículo seguinte do texto de João 9 diz que “Alguns dentre os fariseus que estavam perto dele perguntaram-lhe: Acaso, também nós somos cegos?” Então Jesus lhes respondeu: “Se fôsseis cegos, não teríeis pecado algum; mas, porque agora dizeis: Nós vemos, subsiste o vosso pecado” (João 9.40,41). Em outras palavras, estes fariseus hipócritas ouviam e viam Jesus, mas o faziam de mau grado, e, assim, fechavam seus corações para a influência dele. É a respeito de pessoas como estas que o juízo de Isaías e de Jesus é direcionado. Observe: “E, embora tivesse feito tantos sinais na sua presença, não creram nele, PARA SE CUMPRIR A PALAVRA DO PROFETA ISAÍAS, que diz: Senhor, quem creu em nossa pregação? E a quem foi revelado o braço do Senhor? POR ISSO, NÃO PODIAM CRER, PORQUE Isaías DISSE ainda: CEGOU-LHES OS OLHOS e endureceu-lhes o coração, para que não vejam com os olhos, nem entendam com o coração, e se convertam, e sejam por mim curados” (João 12.37-40). A revelação do Senhor é concedida somente àqueles que “recebem de bom grado e não fecham seus corações” (Mateus 13.15).

Alguns parecem desconhecer o que as Escrituras ensinam sobre o juízo de Deus sobre aqueles que o merecem. A cegueira espiritual mencionada nos textos acima é um bom exemplo deste Juízo divino sobre os homens. Veja o que Paulo disse em 2 Tessalonicenses 2.9-12: “9 Ora, o aparecimento do iníquo é segundo a eficácia de Satanás, com todo poder, e sinais, e prodígios da mentira, 10 e com todo engano de injustiça aos que perecem, porque não acolheram o amor da verdade para serem salvos. 11 É por este motivo, pois, que Deus lhes manda a operação do erro, para darem crédito à mentira, 12 a fim de serem julgados todos quantos não deram crédito à verdade; antes, pelo contrário, deleitaram-se com a injustiça”. Quero chamar sua atenção para os seguintes pontos:

  • O engano promovido por Satanás funcionaria SOMENTE PARA OS QUE PERECEM (verso 10);
  • Este engano operaria na vida deles, porque NÃO ACOLHERAM O AMOR DA VERDADE para serem salvos (verso 10);
  • É POR ESSE MOTIVO que DEUS LHES MANDA a operação do erro, para acreditarem na mentira (verso 11);
  • Receberão sobre si o juízo divino PORQUE NÃO ACOLHERAM a verdade, em vez disso abraçaram a mentira (verso 12).

Não sei se você percebeu, mas o texto de Tessalonicenses está falando essencialmente da mesma coisa que Jesus já havia dito nos Evangelhos: Há pessoas que rejeitam a verdade e acabam ficando espiritualmente cegas por uma determinação divina! Esta mesma verdade é repetida no famoso texto de Romanos 1.18-28 onde Paulo repete vez após vez o mesmo princípio chave: os que rejeitam a Deus receberão as consequências de sua obstinação. Para não escrever todo o texto de Romanos 1, vou listar apenas os pontos que acho oportuno:

  • A IRA DE DEUS se revela do céu contra a IMPIEDADE e PERVERSÃO DOS HOMENS que trocam a verdade pela injustiça (verso 18);
  • A razão da ira de Deus lhes ser direcionada é porque o que se pode conhecer sobre Deus está disponível a eles, mas eles não acolheram tal conhecimento (verso 19, 20);
  • POR ISSO, são indesculpáveis, imperdoáveis (verso 20);
  • Eles SE ANULARAM em seus próprios raciocínios, OBSCURECENDO-SE-LHES O CORAÇÃO insensato (verso 21);
  • Por tudo isso, DEUS OS ENTREGOU à imundícia (verso 24);
  • Eles consideraram a verdade como mentira (verso 25);
  • POR CAUSA DISSO, DEUS OS ENTREGOU a paixões infames… (verso 26);
  • Tais homens recebem uma “PUNIÇÃO MERECIDA” pelo seu erro (verso 27);
  • E para concluir, Paulo diz: POR HAVEREM DESPREZADO O CONHECIMENTO DE DEUS, o próprio Deus os entregou a uma disposição mental reprovável!

Resumindo, o texto acima está dizendo que a cegueira espiritual, o coração obscurecido, é uma punição merecida; pois os tais tiveram a chance de acolher a verdade, mas fecharam o coração para ela e preferiram se apegar aos seus próprios raciocínios e com isso se anularam desprezando o conhecimento de Deus. A predisposição mental destes homens para o erro é na verdade o juízo de Deus, que demonstra sua ira contra a incredulidade e impiedade deles. Falando sobre algo semelhante em Romanos 11.7-10 Paulo disse que boa parte da nação de “Israel foi endurecida, cumprindo profecias anteriormente escritas que diziam que Deus lhes deu espírito de entorpecimento, e olhos para não ver e ouvidos para não ouvir”. E Davi ainda diz: “Torne-se-lhes a mesa em laço e armadilha, em tropeço e punição; escureçam-se-lhes os olhos, para que não vejam, e fiquem para sempre encurvadas as suas costas”. Uma armadilha, um laço, um tropeço, uma punição! Seus olhos foram escurecidos para que não vissem.

Esta cegueira espiritual mencionada por Jesus na parábola do semeador e observada nos outros textos que vimos acima é o justo juízo de Deus sobre os seus desprezadores. A equação é simples: se eu não acendo a luz, eu fico no escuro! É exatamente isso. Os homens que desprezavam a Cristo não conseguiriam ser abençoados por ele porque o ouviam de mau grado e fechavam os seus corações e a punição divina contra esta atitude é exatamente a incapacidade de crer e ser abençoado.

Não pense como alguns intelectuais cristãos fatalistas que colocam Deus como o protagonista de decisões arbitrárias que determinam a condição espiritual de todo e qualquer homem que vive ou venha a viver nessa terra. Como se Deus, SEM QUALQUER MOTIVO, simplesmente decidisse que assim será porque ele pode fazer isso e pronto; e no mais, que se danem todos!

Essa caricatura de Deus que vem sendo pintada há séculos por alguns cristãos não condiz com a verdade e não há lugar algum onde vejamos um reflexo de que Deus seja assim, nem na natureza, nem nas Escrituras. Muito pelo contrário, quando vemos Paulo fazendo paralelos entre as coisas da vida e a verdade de Deus, mesmo em relação à punições e juízos, ele demonstra que Deus não faria qualquer tipo de coisa contra alguém sem motivo. Em Romanos 13.4 Paulo disse que as autoridades são ministros de Deus PARA O BEM. Entretanto, SE A PESSOA FAZ O MAL, que tema; porque não É SEM MOTIVO QUE a autoridade TRAZ A PUNIÇÃO; POIS É MINISTRO DE DEUS, vingador, PARA CASTIGAR O QUE PRATICA O MAL.

Deus jamais puniria alguém injustamente. Deus jamais castigaria alguém sem motivo.