A condenação no coração é uma coisa boa ou ruim?

Parte 1 | Parte 2  | Parte 3  | Parte 4  | Parte 5  | Parte 6

Algumas pessoas não entendem que a Bíblia diz que o Espírito Santo convence O MUNDO do pecado e não o cristão. Com isto não quero dizer que os cristãos não pequem de forma alguma, ou que não exista um “dispositivo” divino que o advirta de seu pecado; mas, a convicção de pecado na vida do cristão acontece de forma um pouco diferente.

2 Coríntios 1.12
Porque a nossa glória é esta: O TESTEMUNHO DA NOSSA CONSCIÊNCIA, de que, com santidade e sinceridade de Deus,não com sabedoria humana, mas, na graça divina, temos vivido no mundo e mais especialmente para convosco.

Se a glória do cristão está no testemunho positivo que sua consciência lhe dá, obviamente o infortúnio cristão se dará pelo contrário: quando a sua própria consciência o acusa e lhe convence que precisa de arrependimento e mudança de comportamento. Ainda assim, a própria acusação que vem do seu coração recriado é algo divino, útil e, de forma geral, resultando em efeitos positivos.

Alguns ensinam que os cristãos devem rejeitar toda e qualquer condenação, pois, em sua mente confusa, alegam que toda e qualquer condenação seja destrutiva e a real causadora de todas as fraquezas na vida do crente. De forma bastante Infantil pensam que a condenação é uma espécie de raiz maligna profunda que está no coração da pessoa que ainda não se desvinculou da religiosidade morta e sem proveito.

Os que pensam assim demonstram desconhecimento das Escrituras e falta de bom senso a respeito das coisas da vida. A condenação que um crente sente em seu coração quando comete um pecado é um recurso divino para que ele se arrependa e mude de vida enquanto é tempo.

1 João 3.21 (ARA)
Amados, SE O CORAÇÃO NÃO NOS ACUSAR, temos confiança diante de Deus.

1 João 3.21 (NVI)
Amados, se o nosso coração NÃO NOS CONDENAR, temos confiança diante de Deus.

Um cristão só tem permissão pelas Escrituras de ter confiança diante de Deus quando seu próprio coração recriado não o condena!

Quando um cristão peca e se sente bem, isso é mal; mas quando o cristão peca e se sente mal, isso é bom! Isto pode ser comparado com alguém que tem hanseníase no braço, e ao encostá-lo em uma panela quente “não sente dor alguma”. Alguns poderiam pensar que sentir a dor é uma coisa ruim, mas no caso do nosso exemplo, a dor momentânea pode livrar a pessoa de um prejuízo permanente. Alguém saudável ao sentir o calor da panela já removeria o braço rapidamente, evitando assim uma queimadura grave. Da mesma forma, o cristão é abençoado com a condenação que vem de um coração recriado.

Se um cristão comete pecado e já não se sente mais condenado por isso, onde você acha que a vida deste irmão vai parar? Se um cristão peca e mesmo sentindo condenação pelo pecado cometido, ouve um pastor que insiste lhe diz que ele precisa “rejeitar aquele sentimento” e ficar bem com Deus “pela fé”, isto poderá treinar o crente a perder a sensibilidade que Deus lhe deu para sentir-se mal quando peca, e isto o conduzirá gradativamente a uma confusão mental da qual talvez não consiga sair. Sem mencionar que esse tipo de conselho pastoral desprezaria completamente o texto de 1 João 3.21 que acabamos ler.

Em muitas ocasiões na caminhada cristã ouvir a voz da própria consciência é semelhante a ouvir os alertas e advertências que somente a voz de Deus poderia trazer.

Romanos 13.5
4 visto que a autoridade é ministro de Deus para teu bem. Entretanto, se fizeres o mal, teme; porque não é sem motivo que ela traz a espada; pois é ministro de Deus, vingador, para castigar o que pratica o mal. 5 É necessário que lhe estejais sujeitos, NÃO SOMENTE por causa do temor da punição, MAS TAMBÉM POR DEVER de CONSCIÊNCIA.

As Escrituras Sagradas dizem claramente que os cristãos devem fazer aquilo que é correto, inclusive com respeito às suas obrigações civis, NÃO APENAS POR CAUSA DO TEMOR DA PUNIÇÃO, mas também por causa do dever que nos impõe a nossa própria consciência.

O temor da punição é uma ferramenta divina muito útil para ajudar o cristão a andar nos trilhos. É pelo temor de não ser atropelado que uma pessoa que tem bom senso não atravessa uma grande avenida sem antes olhar para os dois lados. É pelo temor de ser eletrocutado que uma pessoa prudente lida com a eletricidade com muita cautela. Na passagem bíblica acima aprendemos que devemos fazer o que é certo NÃO SOMENTE por causa do temor, mas o texto não diz que devemos ser pessoas sem temor algum.

Mateus 10.28
Não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; TEMEI, ANTES, AQUELE [DEUS, O JUIZ DE TODOS] QUE PODE FAZER PERECER NO INFERNO TANTO A ALMA COMO O CORPO.

A consciência do cristão o mantém na linha sempre que ele permite que ela trabalhe em seu favor. O que o cristão faz de correto em sua vida diária deve ser feito por DEVER DE CONSCIÊNCIA (Romanos 13.5).

Tenha cuidado com os ensinamentos que usam textos da Bíblia para lhe fazer ficar cada vez mais longe das verdades dela.