“cri-cri-cri”

Não sei exatamente de onde surgiu a ideia na cabeça do italiano Carlo Lorenzini quando resolveu inserir o personagem “grilo falante” em seu livro mundialmente conhecido “As Aventuras de Pinocchio”. Tenho pensado ultimamente a respeito do grilo, mas a imaginação que me passa na cabeça sobre o meu “grilo falante” em nada tem a ver com o sábio personagem da história de Lorenzini. Ainda que o grilo sobre o qual pretenda escrever também seja falante, nada tem de sábio ou agradável.

Por esses dias na região onde moramos temos tido o desprazer de sermos visitados por uma mini-infestação de grilos por tudo que é lado. Mas por alguma razão, coerente ou não, me ocorreu que o grilo tem muitas semelhanças com aquele a quem costumamos chamar de fofoqueiro. Você alguma vez já pensou sobre isso? Se não, veja:

Enquanto ouvimos o “cri-cri-cri” do som do seu “canto” a uma distância que seja confortável, até pode parecer interessante e completamente aceitável. Mas a partir do momento que aquela cantoria passa a fazer parte dos sons que lhe perturbam dentro da sua casa, você começa a perceber como algo aparentemente inofensivo pode se tornar irritante e insuportável. Mas tenha calma, a semelhança entre o irritante canto do grilo e a fofoca não termina por aí.

Quando você ouve o barulho que ele faz, você até consegue perceber que a fonte do barulho está mais ou menos por perto, mas nem sempre consegue discernir claramente onde começou ou de onde aquele “cri-cri-cri” está vindo. E se você tem a brilhante ideia de se aproximar para “enfrentar o problema de frente”, o safado do grilo simplesmente percebe sua aproximação (mesmo que seja sutil) e simplesmente para de falar! Quer dizer, de “cantar”. Daí, se você não consegue encontrar o lugar onde ele se esconde e volta para onde estava inicialmente, não é que o bicho começa a “cantar” de novo enquanto você não está por perto? É ou não é um típico fofoqueiro clássico? Como diz um amigo meu: “A ausência é sempre muito atrevida”.

Além disso, sempre se mete nos lugares mais escondidos, raramente está sozinho e se prolifera rapidamente. Pois é, senhoras e senhores! Bem vindos ao verdadeiro mundo do grilo falante!